Por que acordamos sentindo que não podemos nos mexer?

Like
ESSA NOTÍCIA JÁ AJUDOU
PESSOAS
 

Por que acordamos sentindo que não podemos nos mexer?

Imagine despertar no meio da noite, abrir os olhos e, ao tentar se mexer, sentir o corpo todo paralisado e ser incapaz de mover um músculo sequer. Agora, adicione a isso a sensação de que alguém ou alguma coisa está dentro do seu quarto, te observando e você não consegue nem gritar por socorro.

Esse quadro —aterrorizante para quem já o vivenciou— é categorizado pela ciência como um distúrbio do sono (assim como o sonambulismo) e tem um nome: paralisia do sono.

De acordo com um estudo feito em 2011 pela Universidade da Pensilvânia, nos EUA, aproximadamente 8% da população mundial experimenta pelo menos um episódio de paralisia do sono durante a vida.

Cérebro acorda antes

 

Segundo os pesquisadores, isso acontece porque durante o sono, nosso cérebro precisa "desligar" algumas funções motoras para que, durante o sonho, nosso corpo não se mexa.

"Isso funciona como um mecanismo de defesa para que a gente não saia chutando alguém quando sonhamos que estamos em uma luta ou fiquemos cantando ao sonhar que somos artistas, por exemplo", explica Dalva Poyares, neurologista e especialista em medicina do sono pela Associação Brasileira do Sono.

Mas, em algumas situações, o cérebro pode "acordar" antes dos músculos. Assim, você tem a consciência de que está acordado, mas não consegue se mexer. É aí que acontece a paralisia do sono. De acordo com a neurologista, os episódios ocorrem normalmente na segunda metade da noite e durante o sono REM - a fase do sono em que ocorrem os sonhos mais vívidos.

Embora pareça assustador, a paralisia do sono costuma durar menos de quatro minutos. Após esse tempo, os músculos voltam a responder aos estímulos.

Ainda não existe um motivo claro sobre o que leva à paralisia do sono. No entanto, acredita-se que situações estressantes ou ansiedade exagerada contribuam para aumentar a frequência dos episódios. Quando frequente, o distúrbio pode estar ligado a outras doenças, como a narcolepsia, onde a pessoa sente um sono súbito e incontrolável várias vezes por dia.

Se você costuma passar por isso, a dica é tentar se tranquilizar e concentrar os esforços em piscar ou mexer os dedos do pé ou da mão.

Mas e as figuras aterrorizantes?

Talvez, muito mais assustador do que não conseguir se mexer, é ver imagens de pessoas ou monstros vindos em sua direção durante a paralisia do sono.

Talvez, muito mais assustador do que não conseguir se mexer, é ver imagens de pessoas ou monstros vindos em sua direção durante a paralisia do sono.

Para a ciência, a explicação está no despertar confuso provocado pelo distúrbio. "Durante o sono REM, você junta fragmentos de memória e passa a ter sonhos muito reais. Quando seu cérebro desperta nesses casos, a pessoa ainda está saindo de um estado onírico. Faz sentido ela confundir o que é real com o que é fruto da sua imaginação", diz Dalva.

Longe da ciência, várias especulações tentam explicar essas visões. A lista vai desde abduções por ETs, até passeios fora do corpo ou contato com espíritos.

O assunto é tão antigo que em muitos países a sensação de ter uma presença de outro mundo durante a paralisia do sono é sempre associada a alguma lenda.

No Brasil, por exemplo, o folclore conta a lenda da Pisadeira, uma mulher que sai de seu esconderijo para pisar sobre o peito da pessoa adormecida. No Japão, a aparição é associada a um deus budista. No Canadá, a paralisia do sono é interpretada como ataques de "xamã ou espíritos malévolos".

A boa notícia é que, ocorrendo esporadicamente, a paralisia do sono não traz nenhum sério problema para saúde. Agora, se os episódios forem frequentes, é indicado procurar um especialista para investigar a relação com outras doenças.

Fonte: Uol Notícias

 

ESSE CONTEÚDO AJUDOU VOCÊ?
Whatsapp 11-9.7759-1346. Não perca essa oportunidade, fale agora com um de nossos atendentes pelo whatsapp do CEDEM.

Horário de Funcionamento

Seg: 14:00 às 20:00

Ter-Sex: 08:00 às 20:00

Sáb: 08:00 às 13:00

(11) 4738-1042

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *